Atualidades

Artigo Científico: Adoçantes Artificiais

Os edulcorantes, comumente conhecidos como adoçantes, são aditivos alimentares com o potencial de conceder aos preparos doçura em nível superior à sacarose (1). 

São utilizados para a substituição, total ou parcial do açúcar, em produtos comercialmente rotulados como diet ou zero, e precisam estar indicados nos ingredientes. Também são vendidos de forma isolada para a adição no momento do consumo, em bebidas, por exemplo. 

Os liberados para o uso no Brasil são: acessulfame de potássio, aspartame, ciclamato, sacarina, sucralose, taumatina, glicosídeos de esteviol, neotame, maltitol, sorbitol, manitol, isomaltitol, lactitol, eritritol e xilitol. 

fonte: https://www.bmj.com/content/364/bmj.k4718

Em algumas condições crônicas de saúde, como diabetes, uma das orientações dietéticas é a ingestão controlada de açúcares. Dessa forma, a substituição por edulcorantes geralmente é indicada.

O uso também passou a ser realizado visando a perda de peso. O que os estudos dizem sobre isso? Hoje analisaremos um artigo de revisão sistemática sobre o tema. 

Introdução

O consumo diário de açúcares adicionados deveria permanecer entre 5 a 10% da ingestão calórica total. Em muitos países as estatísticas indicam que esse número é significativamente superior. 

Muitos produtos contam com a adição de adoçantes não calóricos (edulcorantes) visando a redução do teor de açúcares e atender aos indivíduos que seguem dietas restritas. 

Pouco ainda é conhecido sobre o uso dessas substâncias no longo prazo, mas há estudos que apontam possíveis riscos para a sensibilidade do paladar ao gosto doce e para a percepção de fome e saciedade. Nesse caso, se comprovados, não seria uma estratégia tão efetiva assim. 

Resultados e Discussão

Os edulcorantes que possuem rápida absorção na parte inicial do trato gastrointestinal, como aspartame e acessulfame de potássio, apresentam menor estímulo aos receptores para o gosto doce; ou seja, há menor percepção dessa substância. 

Em quadros de obesidade, estudos indicam que há menor sensibilidade ao gosto doce e alterações nos receptores de dopamina. Essa é uma questão importante, pois o nível de satisfação ao comer pode ser percebido como inferior, ainda mais se adoçado com edulcorantes, podendo levar alguns ao maior consumo de alimentos. 

Quando a substituição visa reduzir a ingestão calórica, o uso de edulcorantes apresenta válida aplicação, mas há muitas dúvidas sobre os possíveis efeitos fisiológicos causados no longo prazo. 

Apesar de os estudos analisados não concluírem que tal substituição gera compensações ou um maior desejo por alimentos doces, a realidade pode se apresentar diferente.

Pois, em um ambiente não controlado há diversos fatores que interferem no consumo alimentar. Por isso, ressalta-se a importância da consciência e educação alimentar e nutricional para o melhor controle do consumo de açúcares.

Conclusão

Até então, com base nos estudos avaliados, a substituição de sacarose (açúcar) por edulcorantes aparenta ser segura, no curto prazo, e pode ser indicada em intervenções que visam a perda de peso corporal, por gerar redução no consumo calórico total. 

No entanto, ainda não há consenso de que o uso dessas substâncias geram maior desejo por comida, alterações no sistema de recompensa e no apetite; apesar de essas serem hipóteses amplamente divulgadas. 

É sugerido que mais estudos sejam conduzidos para clarificar tais questões, principalmente sobre o uso no longo prazo e os efeitos para o controle do peso corporal, redução de sensibilidade ao gosto doce, alterações no sistema de recompensa e no apetite; hipóteses amplamente divulgadas. 

Confira o artigo na íntegra clicando aqui

Até mais!  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *