Atualidades

Estratégias Nutricionais: Psoríase

No ano passado, um dos nossos textos mais lidos aqui no blog foi sobre psoríase. Então, nós decidimos trazer esse assunto novamente 🙂

psoríase é uma doença imunomediada, dermatológica e crônica. A manifestação física mais comum é a presença de placas ressecadas, avermelhadas e esbranquiçadas na pele (1). 

Sendo essa uma condição crônica de saúde, o nutricionista possui importante espaço de atuação terapêutica. Quais estratégias nutricionais podem ser aplicadas para o tratamento complementar?

  • Prescrição de alimentos ricos em nutrientes regulatórios
    • Nutrientes com potencial antioxidante (vitaminas, minerais, ácidos graxos poli e monoinsaturados) podem contribuir para a redução do nível de inflamação sistêmico (3);
    • ter atenção ao consumo ou suplementação de ácido graxo ômega 3, vitamina D e B12, fibras dietéticas, ácidos graxos de cadeia curta, genisteína, selênio e probióticos (2);
  • Educação nutricional e promoção da autonomia alimentar:
    • Indivíduos com psoríase, em geral, não seguem uma dieta específica, mas o padrão alimentar adotado influencia no consumo de nutrientes. Por isso, orientar evitar nutrientes agravantes, como: ácidos graxos saturados, carne vermelha, açúcar e álcool (2). 
  • Regulação da microbiota intestinal: em quadros de disbiose pode haver um agravamento do quadro clínico. Quando há alteração na integridade de estruturas importantes na mucosa intestinal (tight junctions) fatores pró-inflamatórios são ativados. Por isso, estratégias nutricionais baseadas em um padrão alimentar que promova equilíbrio da microbiota podem ser favoráveis (4);
fonte imagem: 10.1016/j.clnu.2019.05.006

Além disso, por ser uma doença que pode ter a sintomatologia estimulada por múltiplas condições, fatores ambientais e de estilo de vida merecem atenção, a alimentação é apenas um exemplo (5). 

Muitos portadores de psoríase apresentam outras doenças inflamatórias, ou mesmo metabólicas. As intervenções devem considerar o contexto clínico, não devendo ser indicadas de forma isolada, e sim como tratamento complementar.

Por isso, precisam estar alinhadas com a conduta médica vigente, contribuindo assim para a melhora da saúde do paciente! 

Boa leitura, até mais! 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *